segunda-feira, 23 de maio de 2011

olhar

Sobre um olhar esparso, infrutífero, fica a impressão do visível.
Não mais que interpretável.
Fica a soar, a mente incauta, irreversível.
Vê-se o cão saltar, enquanto as ervas são colhidas.
Actos desprendidos, ordinários e nada mais para dar.

Mas o cão salta feliz. Será porque as mãos sabem onde cair. Afirmo. Agora dou-te nada. Depois o caminho, algo onde e por onde seguir.

Fica o olhar que nada viu. A sentença permanece e será eterna, sem interpretação, mais nada fica.
E para sempre, um momento profundo perde-se quieto e sereno.

Pretérito.

.

2 comentários:

Vieira MCM disse...

Que texto intrigante. Gostei de o ler.

Beijinhos

Vieira MCM

silvioafonso disse...

.

O seu blog tem espaço e
você tem tempo e bom gosto,
portanto, por que não cultivar
a semente que você plantou?

Estamos esperando novos textos
e seguindo o seu BLOG.
Se você quiser, também pode
seguir o meu.

silvioafonso







.

Pesquisar neste blogue