quinta-feira, 20 de outubro de 2011

dinheiro धन money المال l'argent お金 dinero деньги geld χρήματα soldi 資金


Condições impróprias, inseguras

Num querer imaginário sem outras aberturas

Palavras rebeldes, emaranhadas

Outonos emergentes em doutrinas engranzadas



Medos activos, tristemente descobertos

Dificuldades enganadoras, de menus secretos

Cada pedaço de papel escrito e rescrito

Imperdoavelmente precário e restrito



…e… assim se prossegue, cada dia

Que se me dissessem ser meu, nunca me perdoaria



Cada momento preso ao poder do condenável

Cada espaço envolto num saber pouco estável

Questões frias, que aquecem o medo

Apetites entibiados que se escondem num enredo

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

sempre...










...em frente até Atlântida...

terça-feira, 30 de agosto de 2011

medo

Medo de dizer e de calar
Medo de ser e de estar
Sem saber o que fazer ou o que está certo
Tudo à volta fica tão longe e tão perto
Ouvir as vozes que tudo e nada dizem
Experimentar as emoções sem que fiquem ou amenizem
Medo do que há e do que vem
Querer todos e ninguém, ninguém sabe o que tem
Medo de estar certo e de errar
Medo de cair sem aterrar
Nadar sem saber flutuar
Naufragar sem saber navegar
Ouvir sem saber silenciar
Emudecer e por fim humedecer
Fazer tudo sem querer, sem nada querer
Medo de ficar e de partir
Medo de repartir
Medo de sonhar
Medo de ganhar
Medo porque sim
Medo porque há mesmo um fim

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

sabor

Por aqui, além
O vento e a chuva quente
O norte e o sul intenso
Aquém da pobreza

Tenho a vontade
Não me falta sequer a paz
O sabor de cada emoção
Emergida em cada espaço

Conquistar, sem vintém
O profundo sossego dormente
Vivido sem consenso
Nem a serenidade de uma certeza

Para nada importa a idade
Nem interessa ser audaz
Trago em mim um coração
Que tudo sente sem embaraço

quarta-feira, 13 de julho de 2011

assente

pARADO INSISTE EM MANTER FIRME E CONSTANTE A SUA ACÇÃO, ALICERÇANDO AS CONVICÇÕES NOS MAIS PROFUNDOS PILARES, COMO UMA REPRESA QUE TUDO SEGURA, SEM ABALOS, FIRMEMENTE, SEM VACILAR, SEM DUVIDAR, SEM IMPORTUNAR A VONTADE QUE ASSUME A COERÊNCIA COM TODOS OS ACTOS FIRMADOS DESDE SEMPRE.
aTÉ QUE MOVE UM DEDO...
...

sexta-feira, 8 de julho de 2011

entre





É assim tão simples

Suspirar basta


Peço que contemples

O coração aquieta


segunda-feira, 23 de maio de 2011

olhar

Sobre um olhar esparso, infrutífero, fica a impressão do visível.
Não mais que interpretável.
Fica a soar, a mente incauta, irreversível.
Vê-se o cão saltar, enquanto as ervas são colhidas.
Actos desprendidos, ordinários e nada mais para dar.

Mas o cão salta feliz. Será porque as mãos sabem onde cair. Afirmo. Agora dou-te nada. Depois o caminho, algo onde e por onde seguir.

Fica o olhar que nada viu. A sentença permanece e será eterna, sem interpretação, mais nada fica.
E para sempre, um momento profundo perde-se quieto e sereno.

Pretérito.

.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

fome

As vidas correm como bocas para alimentar. Ligadas a um estômago caprichoso cheio de desejos apresentados como inequívocos em contextos concretos, insidiosos ávidos de satisfação imediata. A não escolha fantasiada pela aparência da opção. Se falta uma vitamina, um mineral, a fome persiste, insensível aos próprios nutrientes ou menus, empanturrando-se de tudo o que mais possa compensar a insatisfação da carência. As direcções nomeiam-se à medida da fome. Os dias passeiam-se com mais ou menos fome. As vidas vivem com mais ou menos fome.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

sol



O sol.

Mais que tudo,

A essência.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

água


(Seia, Distrito da Guarda - Portugal)

O princípio e o meio.
Liberta-se e permite o fim.
O sol(vente) primordial.
O todo e o tudo.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Real

Querer estar bem é realista: é o que sinto no sossego da água luzente. Admiro as cores e o espaço esclarece ser maior. Aparto-me de corrigir a emoção. A sonância promete a conquista de ápices perseverantes. Os sons calmos mas distintos acalentam o íntimo. Ideias simples de grafias livres e semelhantes, a indagação deve ser diferente. Deixar soltar a areia, esquematizar a amálgama, ou a alma de sentir a liberdade. Estar bem por habitar a cronografia de outra germinação. Tudo isto é realista.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

voz

Espelho
Prata
Voz ouvinte
Seguinte

Sensação
Sabor
Espelho que volta e limita
Apenas imita
Ovação
Resplendor
Algo como dor, angor

Velho
Voz
Sonho insiste
Prata reflecte e desiste

Diz
Faz
Sente
Serena
Peso dormente
Fogo intenso
Descobre a mão que acolhe
Escolhe

Espelho de prata
A voz persiste

Pesquisar neste blogue