terça-feira, 18 de maio de 2010

ida

Sentados na vida, escolhemos tempos sem ida.
Ainda há quase tudo a fazer, deixar o vento crescer.
Aqui fica o sonho que incide, é só o som do momento que decide.
Ficar assim, a olhar de mim, vendo tudo, vendado num fim.
Exprimir e expremer o coração, sorrindo de longe e de mais perto à ambição.
Acreditar que há o mais além, abraçar o calor de alguém.
Separar enfim o joio, murmurar um feliz apoio.

1 comentário:

Vieira MCM disse...

O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso, existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.

Fernando Pessoa

Tu és uma delas! :)
Não desistas nunca dos teus valores, obrigado por seres como, és.
O comentário que deixaste no meu último texto só demonstra que és especial, pois entendeste-o na integra.

Beijinho

Vieira MCM

Pesquisar neste blogue