quarta-feira, 19 de março de 2008

o nosso ser

É intricado ser-se correcto
Nem as palavras afiançam estar sempre certas
Mesmo que bem determinadas
Ou mesmo que bem descritas
De um dia para o outro podem ficar ultrapassadas
Porque mudou a ortografia

Mesmo numa existência de insecto
Depois de tantos formatos e figuras descobertas
Ainda que acertadas
Ou mesmo que jamais restritas
Podemos tentar agasalhar as certezas cansadas
Sem uma imagem que preencha a fotografia

É difícil perceber o nosso ser

terça-feira, 18 de março de 2008

vontade cultural

A arte sobrevive ao meio.
Por vezes parece que a inspiração é o menos importante, e que nem é preciso saber fazer muito bem, que basta aprender a técnica. Assim poder-se-ia definir qualquer coisa como um objecto cultural, mesmo esquecendo que a cultura, entre outros conceitos, e citando o dicionário é uma “maneira colectiva de pensar e de sentir”. Mas pode ser ainda mais, todos nós o sabemos. O mesmo dicionário também diz que é um “conjunto de costumes, de instituições e de obras que constituem a herança social de uma comunidade ou grupo de comunidades”, e ainda que é o “conjunto das acções do meio que asseguram a integração dos indivíduos numa colectividade”.Então o que na prática será cultural para cada um de nós? Talvez devêssemos questionar um pouco mais os critérios que em geral são impostos, ou não, porque aí poderíamos restringir a liberdade de expressão.A mim digo que talvez deva ter uma capacidade de selecção mais interveniente. Porque, para além dos termos relacionados com a sabedoria e a lavoura, o mesmo dicionário diz ainda que, a cultura é a “aplicação do espírito a uma coisa”, entendendo este espírito como o “princípio do pensamento e da actividade reflectida do homem”.

quarta-feira, 12 de março de 2008

existe



E agora?

Pesquisar neste blogue