passa o tempo

Deixo o insecto voar sobre a cama
Apago a luz reluzente para ver se ele me deixa

Morro perto da fome que cruza a lama
Faço cozido da vontade antes que ela morra

Chamo os cabelos vivos colhidos na manhã
Vejo olhos bonitos tremer à luz da lenta chama

Olho o peso coberto pelo clarão azul
Sinto-me bem aguerrido quando a lupa finge que olha

Passo assim o tempo
Sem nada para atempar
Rasgo assim o vento
Sem ponteiro a derrapar
Assim se enganam os mundos
Loucos, os normais, que nada sabem

Comentários

Vieira MCM disse…
Bastante curioso, cheio de duplos sentidos, gostei!
Bjkas

Vieira MCM

Mensagens populares deste blogue

Insípido