sábado, 27 de outubro de 2007

o que temos

Tudo passa
Tudo fica
Tudo se sente
E se sente esquecer
Na paz do espírito
Igual a si
Porque lhe pertence
O sabor
O calor
Dos dias
Que passam
Que ficam
Que tudo sentem
E que sentem esquecer
E mudar a paz
Para algo diferente
A paz demente
Que grita
O sabor (pouco)
O calor
Dos dias (estes) - que nos mostram um Universo à luz de quem não entende nada dele.
Nesta nossa forma sofisticada de agir, pensar e interpretar; só nossa.

1 comentário:

Vieira MCM disse...

Simplesmente belo.
Temos tudo e não temos nada, porque só entendemos o que não temos e desvalorizamos o que temos.
Nesta nossa forma sofisticada de de agir, pensar e interpretar como dizes e muito bem, não temos espaço para entender as coisas mais simples que se manisfestam todos os dias à nossa volta.
É nos espiritos mais simples que se encontra a beleza mais perfeita e o amor mais puro.
Obrigado pelas palavras que connosco partilhas.

Vieira MCM

Pesquisar neste blogue