se nunca deixar para trás

Esqueço a estrada que para trás ficou
A demagogia interna nem dá para tanto
Mesmo que por pouco tempo
Iludo o meu espaço privado

O futuro pode mudar o que sou
A viagem caminha, por enquanto
Eu quero conhecer o que limpo
Para saber o que terá mudado

Isto em todos os lugares
Que afirmam espaços incertos
Numa emergente descoberta
Numa saudade sem idade

Nas misturas de olhares
Os sonhos por si vivem libertos
É a palavra secreta
É a fome que não come

Os sons não dormem
Por mais que acordem
A esperança sobrevive ao método

Sabe que as palavras tremem
Imagina que os sorrisos persistem
A certeza do sim renasce em cada êxodo

Comentários

Vieira MCM disse…
Simplesmente, tocante.
Gostei imenso.
Parabéns.
Vieira MCM

Mensagens populares deste blogue

Insípido